Segunda-Feira, 17 de Fevereiro de 2020

Focos de queimadas em Mato Grosso cresceram cerca de 73% durante o ano de 2019




COMPARTILHE

Mato Grosso fechou o ano de 2019 com o registro de 31.169 focos de calor, quantidade que representa um aumento de 73% se comparado a 2018, quando foram detectadas 18.031 ocorrências de queimadas. Para conter o avanço, o governo de Mato Grosso informou que investiu R$ 2,8 milhões em toda a temporada de incêndios florestais no ano passado.

Segundo o Estado, o período abrange as três fases que incluem planejamento, prevenção e preparação, o que ocorrem antes do período da seca, além das ações de combate ao fogo e responsabilização durante os eventos e a última fase de responsabilização e avaliação. Em 2017, o Estado contabilizou 30.911 focos e, em 2016, 27.305 pontos de queimadas. Ainda no ano passado, os meses com maiores picos foram agosto (8.030) e setembro (10.747).

De acordo com os dados compilados pelo Comitê Estadual de Gestão do Fogo (CEGF), os valores foram investidos por meio de diversas fontes, sendo R$1,3 milhão aplicado pelo Corpo de Bombeiro Militar CBM), R$ 924 mil pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e R$ 350 mil investidos por outras forças de segurança vinculadas à Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp).

As prefeituras municipais investiram cerca de R$ 250 mil para combate aos incêndios. Já a iniciativa privada investiu cerca de meio milhão de reais no combate aos incêndios florestais. “Este ano, tivemos uma seca muito mais severa do que em anos anteriores e mesmo diante de do cenário mantivemos os mesmos índices de focos de calor observados em 2017. O resultado é fruto de um trabalho árduo e da integração entre os diversos órgãos do Estado”, explica a secretária de Meio Ambiente, MaurenLazzaretti, disse por meio da assessoria de imprensa. Ela ressaltou ainda, que em 2018, as chuvas tiveram início mais cedo, tornando a seca menos intensa.

Durante todo o período proibitivo foi ativado o Centro Integrado Multiagências de Coordenação Operacional (Ciman), que atua para fortalecer as ações de monitoramento, prevenção, preparação e resposta rápida aos incêndios florestais, de forma integrada com os diversos níveis de governo. Para dar celeridade e assertividade nas respostas aos incêndios florestais, foram instaladas salas de monitoramento descentralizadas nos comandos regionais do Corpo de Bombeiros de Cuiabá, Sinop, Barra do Garças, Cáceres e Tangará da Serra. As ações de resposta aos incêndios foram conduzidas pelas unidades operacionais Bombeiro Militar que se encontram instaladas em 22 municípios mato-grossenses.

Além disso, a temporada de 2019 também contou com o apoio de nove brigadas municipais mistas (BMM) e oito bases descentralizadas bombeiro militar (BDBM). Foram realizadas ainda as operações “Abafa” realizadas nas regiões da Amazônia e do Araguaia resultaram em mais de R$ 70 milhões de multas aplicadas por crimes contra a flora. Nos pontos fiscalizados, foram identificados 80.652 hectares de área em que o fogo foi utilizado ilegalmente durante o período proibitivo que, em 2019, teve início em 15 de julho e encerrou em 28 de outubro. Ente ano, foram realizadas duas operações na região amazônica e uma no Araguaia.

PAÍS - O número de focos de fogo na Amazônia cresceu 30% em 2019 em relação ao ano anterior, segundo dados compilados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Ao todo, foram 89.178 incêndios detectados pelo satélite de 1º de janeiro a 31 de dezembro do ano passado. É o maior número desde 2017, que registrou 107.439 focos.

Em agosto, quando ocorreu o auge das queimadas, foram 30.901 incêndios — o pior mês da série de 2019 e o mais incendiário desde 2010. O pico das queimadas na Amazônia ganhou repercussão mundial e levou lideranças estrangeiras, como o presidente da França, Emmanuel Macron, a pressionar Jair Bolsonaro quanto à política ambiental do Brasil para a floresta. Além dos efeitos deletérios à biodiversidade, a população amazônica sentiu efeitos na saúde.

Setembro, por sua vez, foi o segundo mês recordista do ano, com 19.925 focos de queimadas. O crescimento dos incêndios, no entanto, não coincidiu com um período de seca intensa como no caso de 2017. Especialistas apontam diversas evidências para ação humana na deflagração das chamas.

O chamado "dia do fogo", investigado pela Polícia Federal, é um dos indícios da ação de fazendeiros e grileiros que desejavam chamar atenção do governo federal através das queimadas. O presidente Jair Bolsonaro, por outro lado, responsabilizou em mais de uma ocasião as ONGs pelos incêndios no bioma amazônico.  O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o presidente Bolsonaro e o vice-presidente Hamilton Mourão, no entanto, atribuíram as queimadas ao período de seca na floresta em diferentes ocasiões, embora os números de 2019 tenham sido mais amenos do que nos anos anteriores.

Tasso Azevedo, engenheiro florestal e coordenador do MapBiomas Alerta, lembra que, apesar da alta de registros de fogo, o período de seca da Amazônia ficou abaixo da média de anos anteriores. “É uma área de floresta úmida, então o fogo tem basicamente uma origem antrópica. Não foi um ano que teve uma seca mais específica na Amazônia, e as queimadas estão muito associadas ao desmatamento. Os focos de incêndio aumentaram, ao mesmo tempo que o desmatamento aumentou. É um indicador de um problema maior”, disse.


Autor:AMZ Noticias com Diário de Cuiabá


Comentários:
O Jornal do Carajas não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros.

Nome:
E-mail:
Mensagem:
 



Copyright - Jornal do Carajas e um meio de comunicacao de propriedade da AMZ Ltda.
Para reproduzir as materias e necessario apenas dar credito a Central AMZ de Noticias